Obras das marginais do Itanguá incluem passagens subterrâneas para animais

Portal RMSNEWS.COM.BR

A construção das avenidas marginais do córrego Itanguá, na Zona Oeste da cidade, atingiu 32,3% do total previsto e segue em ritmo acelerado, com previsão de conclusão para dezembro deste ano. Uma das etapas do projeto, que vem despertando bastante a curiosidade de todos, já está praticamente concluída: a construção de passagens subterrâneas para animais.

Conforme levantamento técnico finalizado neste mês de abril pela Prefeitura de Sorocaba, a eficácia da travessia de fauna já pode ser verificada, inclusive, por meio de vestígios de pegadas dos animais. Os acessos permitem o deslocamento de espécimes entre duas áreas de matas remanescentes nos arredores, conectando o Parque “Ouro Fino” ao córrego do Itanguá. Uma das passagens subterrâneas é seca, medindo 57 metros de comprimento, e a outra, úmida, com 63 metros. Ambas possuem estruturas de proteção em suas aberturas, bem como postos que auxiliam na iluminação e ventilação.

As travessias foram propostas como medida mitigadora, a partir do trabalho de monitoramento da fauna desses fragmentos de mata, em cumprimento ao Termo de Compromisso de Recuperação Ambiental, firmado entre a Prefeitura de Sorocaba e a Companhia Ambiental do Estado de São Paulo (Cetesb).

O monitoramento dos animais ocorreu em três momentos: anteriormente ao manejo florestal, em 2019; posterior e ao início das obras, em 2021, e após a implantação da “travessia de fauna”, em 2022.

O estudo utilizou metodologia da Cetesb e foi realizado pela equipe técnica do Parque Zoológico Municipal “Quinzinho de Barros”, da Secretaria do Meio Ambiente, Bem-Estar e Proteção Animal (Sema) e do Centro de Aceleração, Desenvolvimento e Inovação (CADI), órgão ligado à Secretaria de Administração (Sead) e responsável pelo gerenciamento da obra.

Espécies identificadas

O gerente socioambiental do Programa de Obras do CADI, o ecólogo José Carmelo, está à frente de todo esse trabalho e destacou que, ao final do levantamento, foi observado um total de 105 espécies da fauna silvestre. Nenhuma delas está presente na lista de ameaçadas de extinção da União Internacional para a Conservação da Natureza (Iunc) e no livro vermelho da fauna brasileira do Instituto Chico Mendes de Conservação da Biodiversidade (ICMBio).

Entre os beneficiados com a travessia de fauna implantada estão, principalmente, os representantes da mastofauna local, como as espécimes de gambás (Didelphis sp.), o mamífero carnívoro mão-pelada (Procyon cancrivorus) e o sagui-de-tufo-preto (Callithrix penicillata). “Além disso, durante o levantamento, foi realizado o primeiro registro, segundo a plataforma Wiki-Aves, da espécie gavião-asa-de-telha (Parabuteo unicinctus) na cidade de Sorocaba”, comenta.

Segundo ele, em resumo, o estudo verificou o potencial da área ribeirinha em abrigar a fauna silvestre. “Nas ‘bocas’ de cada passagem subterrânea estão sendo instalados alambrados para direcionar o fluxo de animais para essas passagens, como forma de evitar que acessem as pistas”, adiantou o ecólogo.

O projeto da “Marginal Itanguá” engloba, ainda, a realização de um trabalho de restauração ecológica, onde o trecho de estudo receberá cerca de 2.700 mudas nativas de árvores. “A medida facilitará a ocupação pela fauna silvestre, fornecendo abrigo e recursos alimentícios, além do benefício mútuo, já que boa parte da fauna observada possui relação de dispersão de sementes com a flora local, atuando como regeneradores naturais do ecossistema”, explicou.

Construção das pistas

A construção das avenidas marginais do córrego Itanguá é executada por meio de financiamento do Banco de Desenvolvimento da América Latina (CAF). O empreendimento vai ligar, em um primeiro momento, a Avenida Adão Pereira Camargo, passando pela Avenida Américo Figueiredo, com acesso chegando à Rua Miguel Patrício de Moraes.

“Até o momento, já foram executadas 96% das instalações preliminares, 76% das contenções das margens do córrego, 60,4% das travessias de córrego, além de 55% da terraplanagem, 41% do paisagismo, 31,3 de pavimentação e 29,8% das obras de drenagem”, destaca o engenheiro Rodrigo Faria, que é diretor de área do CADI. Depois de pronta, a obra terá uma área total pavimentada de 50.997,53 m².

A estimativa é que o primeiro trecho, interligando as avenidas Adão Pereira de Camargo e Américo Figueiredo, esteja concluído até o final deste ano. Já, no início do segundo semestre, está previsto o começo da construção do viaduto na Avenida Américo Figueiredo, sobre o córrego Itanguá, que também integra o projeto de construção das pistas marginais.

Conforme o CADI, adequações foram feitas no projeto original para otimizar a obra, evitar novas desapropriações e minimizar os impactos ambientais e para a população nos arredores.  Além da construção do viaduto, as únicas fases do projeto que não tiveram início até o momento são as de instalação de dispositivos de sinalização e de iluminação, que são as últimas.

Segunda fase

A segunda fase das obras nas marginais do córrego Itanguá, ligando a região da Avenida Santa Cruz à Avenida Luís Mendes de Almeida, também já está nos planos da Prefeitura de Sorocaba. A previsão é que a licitação, para definir a empresa que executará esses serviços, ocorra ainda neste ano. Tais intervenções igualmente constam no contrato de financiamento com a CAF e a expectativa é que as construções tenham início tão logo concluído o processo licitatório.

Esse segundo trecho criará um novo corredor de trânsito, cruzando a Zona Oeste e permitindo uma ligação direta, desde a Avenida Dom Aguirre, passando pelas avenidas General Osório, Adão Pereira de Camargo, Santa Cruz e Luís Mendes de Almeida, até chegar à Rodovia Raposo Tavares.

VEJA TAMBÉM

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

PREMIO MELHORES DE 2021
RMS NEWS SHOPPING

Welcome Back!

Login to your account below

Retrieve your password

Please enter your username or email address to reset your password.

Add New Playlist